Governo do Distrito Federal
Maria da Penha ONLINE Governo do Distrito Federal
14/04/23 às 11h58 - Atualizado em 14/04/23 às 11h58

Professores podem se vacinar contra a gripe

Classe faz parte do grupo prioritário da campanha de imunização

Agência Brasília* | Edição: Claudio Fernandes

Até o dia 31 de maio, os professores das escolas do ensino básico (creche, pré-escola, ensino fundamental, ensino médio, profissionalizante e EJA) e superior do Distrito Federal podem se vacinar contra o vírus influenza. A lista completa dos postos de vacinação está disponível aqui.

Começou na última segunda-feira (10) uma nova fase da campanha de vacinação. Além dos professores das redes pública e privada, a imunização abrange idosos com 60 anos ou mais; gestantes e puérperas; trabalhadores da saúde; trabalhadores de transporte coletivo rodoviário; caminhoneiros; portuários; profissionais das forças de segurança e salvamento e das forças armadas; funcionários do sistema prisional; adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas; população privada de liberdade; pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais; pessoas com deficiência permanente; e povos indígenas.

A vacina pode ser tomada junto a outras (como contra a covid-19) e é fundamental para reduzir o número de internações, complicações e óbitos pela doença. A dose aplicada protege contra os vírus A/Sydney/5/2021 (H1N1) pdm09, A/Darwin/9/2021 (H3N2) e B/Austria/1359417/2021 (linhagem B/Victoria, tendo sido desenvolvida a partir das cepas em circulação no Brasil). Após a imunização, em duas a três semanas passam a ser detectados anticorpos contra a doença. A duração varia de seis a 12 meses, dependendo do indivíduo, fato que justifica a vacinação ocorrer anualmente.

A meta estabelecida pelo Ministério da Saúde é imunizar ao menos 90% das pessoas de cada um dos grupos prioritários. Em 2022, o índice de adesão da população foi abaixo do esperado: o maior foi entre os idosos com mais de 60 anos, chegando a 73,3%. Menos da metade das gestantes (47,5%) e das puérperas (48,2%) procuraram um dos locais de vacinação. A cobertura ficou em 59,7% para crianças, 62,8% para professores, 52,8% para trabalhadores de saúde e 31,7% de pessoas com comorbidades. Das 933.502 doses aplicadas no DF no ano anterior, 575.698 (61,7%) foram para os públicos prioritários. As demais foram aplicadas após a liberação para todos os públicos.

*Com informações da Secretaria de Educação