Governo do Distrito Federal
Maria da Penha ONLINE Governo do Distrito Federal
14/02/23 às 14h37 - Atualizado em 14/02/23 às 14h37

Unidade Móvel de Coleta de Sangue inicia campanha de Carnaval

Novo ônibus do Hemocentro estará nesta terça (14) no Parque da Cidade, até as 16h, e irá a Taguatinga na quinta (16) para incentivar a doação e reforçar o estoque que atende 16 hospitais do DF

 

Adriana Izel, da Agência Brasília | Edição: Claudio Fernandes

 

 

O Governo do Distrito Federal (GDF), a Fundação Hemocentro de Brasília (FHB) e os blocos carnavalescos da cidade uniram forças e foram às ruas para incentivar a doação de sangue. Na primeira ação conjunta aberta ao público, a Unidade Móvel de Coleta de Sangue do FHB estacionou no Parque da Cidade, nas proximidades do Estacionamento 13. O veículo ficará no local até as 16h para receber as doações, enquanto integrantes de blocos carnavalescos e escolas de samba se apresentam por ali.

 

A Unidade Móvel de Coleta de Sangue do FHB estacionou no Parque da Cidade, nas proximidades do Estacionamento 13, para receber doadores que agendaram atendimento e também quem passava pelo local | Foto: Lúcio Bernardo Jr. / Agência Brasília

A medida é uma ação preventiva da campanha Carnaval Solidário: Doe Sangue, Salve Vidas para reforçar o estoque antes do início da festa, período em que há menos doadores e também mais riscos de acidentes que podem resultar na necessidade do uso do banco de sangue. O objetivo é garantir a oferta de sangue nos 16 hospitais do Distrito Federal atendidos pelo Hemocentro.

 

“Como, no período de Carnaval, muitas pessoas viajam ou não podem doar porque utilizam bebida alcoólica, para manter o estoque regulador temos que fazer ações prévias. É necessário que a gente possa oferecer todas as condições de as pessoas serem atendidas”, afirma o presidente da Fundação Hemocentro de Brasília, Osnei Okumoto.

O público-alvo da ação são os frequentadores do Carnaval e do Parque da Cidade. A Unidade Móvel tem capacidade para receber doação de 100 pessoas.

Segundo o secretário de Governo, José Humberto Pires de Araújo, “o mais importante é essa divulgação, mostrar que a doação é um ato de cidadania e que precisa ser durante todo o ano”

“Essa doação, embora seja simbólica, porque são 100 pessoas, é extremamente relevante porque já são 400 vidas que podem ser atendidas. O mais importante é essa divulgação, mostrar que a doação é um ato de cidadania e que precisa ser durante todo o ano”, destaca o secretário de Governo, José Humberto Pires de Araújo, que está à frente da coordenação do Carnaval da Paz, que conta com 15 órgãos do GDF.

“Essa campanha vai ter um trabalho itinerante, vai passar por todo o DF. As pessoas podem se dirigir ao ônibus ou agendar. Essa conscientização é muito importante, porque precisamos dobrar a quantidade de doadores”, acrescenta o secretário.

A DJ e produtora Karla Testa está à frente do Bloco do Prazer, um dos grupos a participar da campanha: “Sabemos que, no período do carnaval, o estoque fica desabastecido por vários motivos. Então é muito legal que a gente consiga vir fazer essa doação e convidamos todo mundo também para participar”

A DJ e produtora Karla Testa está à frente do Bloco do Prazer, um dos grupos a participar da campanha e que esteve representado no evento com a discotecagem dela. “Queremos realmente conscientizar a população para essa doação. Sabemos que, no período do carnaval, o estoque fica desabastecido por vários motivos. Então é muito legal que a gente consiga vir fazer essa doação e convidamos todo mundo também para participar”, diz. Também estiveram presentes representantes dos blocos Carnapati e Montadas.

Mais perto do doador

Com investimento de R$ 2,4 milhões, o veículo de coleta de sangue do Hemocentro surgiu para que sejam feitas as missões de itinerância a partir do deslocamento de uma equipe multidisciplinar.

Para o chefe da Unidade Técnica do Hemocentro de Brasília, Marcelo Jorge, a Unidade Móvel aproxima o ato de doar dos principais personagens: os doadores. “É um facilitador e um divulgador do nosso trabalho”

“A gente aproxima o ato de doar dos principais personagens: os doadores. É uma forma do Hemocentro estar mais presente. Em vez das pessoas se deslocarem, temos a capacidade de ir até as pessoas. É um facilitador e um divulgador do nosso trabalho”, classifica o chefe da Unidade Técnica do Hemocentro de Brasília, Marcelo Jorge.

Isso foi o que aconteceu com o estudante Gabriel Cantieri, 25 anos. Ele havia agendado a doação em uma unidade fixa do Hemocentro, mas, enquanto passeava com a cachorrinha no parque, viu o caminhão e resolveu fazer logo a coleta.

O estudante Gabriel Cantieri, 25 anos, havia agendado a doação em uma unidade fixa do Hemocentro, mas enquanto passeava com a cachorrinha no parque viu o caminhão e resolveu fazer logo a coleta

“Eu já estava marcado para doar no Hemocentro, mas dei a sorte deles virem até mim pela unidade móvel”, conta. Portador do sangue 0 negativo, Gabriel destaca a importância do ato: “O banco de sangue está sempre precisando e você até pode não ser alguém que está precisando naquele momento, mas pode vir a ser essa pessoa”.

O turista André Gomes Martins, 47, estava conhecendo o Parque da Cidade quando foi convocado pela equipe da Unidade Móvel para a doação e topou. “Embora eu tenha ficado um tempo sem doar, sempre gostei. É importante ter essa consciência que o sangue tem o poder de salvar vidas”, comenta.

O turista André Gomes Martins, 47, estava conhecendo o Parque da Cidade quando foi convocado pela equipe da Unidade Móvel para a doação: “É importante ter essa consciência que o sangue tem o poder de salvar vidas”

Atendimento e agenda

O atendimento no Parque da Cidade ocorre em dois formatos: prévio, para quem fez o agendamento pelo site Agenda DF, ou pelo telefone 160, opção 2, iniciado na sexta-feira (10); ou, ainda, espontaneamente. Podem doar pessoas saudáveis entre 16 e 69 anos com peso acima de 51 kg.

O ônibus conta com uma sala de coleta com todos os subsídios necessários para a segurança e o conforto do doador e dos servidores. A unidade móvel pode ser montada em locais com ponto de água e energia.